COMO NOSSOS FILHOS E NETOS SE APOSENTARÃO?

Com certeza terão que construir a aposentadoria!

Meninos cem anosA grande maioria das pessoas não pensa muito na própria aposentadoria porque, geralmente, é um planejamento de prazo muito longo. Que dirá então pensar na aposentadoria de filhos e netos! Mas convido você a fazer um exercício de simulação que poderá servir para orientar seus próprios planos financeiros e, se quiser, de aposentadoria.

Vamos conversar sobre isso?

 

As crianças que estão nascendo hoje poderão viver 100 anos. Quando elas completarem 60 anos, aproximadamente 40% da população terá 60 anos ou mais. Para complicar, a taxa de fertilidade da mulher, hoje, já não mantém a população brasileira estável. Prevê-se que a partir de 2047 a população brasileira começará a diminuir. A criança que acabou de nascer hoje terá apenas 29 anos.

Quando eu começo a pensar sobre isso não posso deixar de lembrar de meus netos. A netinha mais velha, Beatriz, tem 5 anos de idade. Como será o “modelo de vida” dela? Primeiro, vamos ver o nosso, que os estudiosos chamam de “modelo de 3 etapas”.

A primeira etapa é da educação e formação (mais ou menos até 24 anos), segunda etapa, trabalho (até 60 anos) e terceira etapa, aposentadoria até o fim da vida.Será que este modelo vai se aplicar a ela? Imagine como será a vida de uma pessoa que se aposenta aos 60 anos e poderá ter, pela frente, mais 40 anos de vida. E mais, numa sociedade onde 40% da população estará nessa situação! 

Alguns futuristas imaginam que, primeiro, ela não entrará no mercado de trabalho aos 24 anos. Ampliará o período de estudo e formação para ter uma preparação mais completa ou e, talvez, experiências com várias atividades, até escolher uma. Depois, dificilmente a geração dela se aposentará aos 60 anos.

Para essas crianças, o futuro oferece muitas novidades. A começar pela tecnologia, inteligência artificial, big data, impressão 3D e outras que transformarão o modo de vida como conhecemos hoje e, principalmente, as atividades de trabalho. Não vamos conversar sobre esses cenários, porque a imprensa aborda isso todos os dias, de forma muito mais completa do que poderíamos fazer aqui

.O foco de nossas conversas tem sido finanças pessoais e, por isso, proponho que pensemos num planejamento financeiro que Beatriz poderá fazer, ao longo da vida de trabalho, para financiar seu período de aposentadoria.

Não vamos entrar na discussão política da reforma da previdência brasileira, mas uma constatação tem que ser feita: o modelo chamado “de repartição”, onde os ativos pagam contribuições previdenciárias e os aposentados recebem benefícios está esgotado no mundo todo.  Só para lembrar, na década de 1960, quando esse modelo foi instituído, havia 15 ativos para um inativo, e com taxa de crescimento da população de 3,5% ao ano. Hoje, a proporção é de 4 inativos para um ativo, com crescimento populacional próximo de 1%.

Vamos supor que Beatriz entrará no mercado de trabalho em 2043 com aproximadamente 30 anos de idade, formada em engenharia. Quais serão as condições prevalentes de seu ambiente econômico de trabalho onde ela desenvolverá sua vida laboral? É praticamente impossível imaginarmos os detalhes, mas algumas hipóteses são de aceitação geral pelos estudiosos:

Expectativa média de vida da sua geração: 90 anos.

Condição do emprego: dificilmente as pessoas ficarão num emprego um longo tempo, mesmo aquelas que forem concursadas dos poderes públicos. 

Crescimento do número de idosos maior do que o crescimento da força de trabalho.

Além disso, é previsto que economia brasileira se estabilizará em condições semelhantes aos países mais desenvolvidos. Assim, podemos considerar que o juro real ficará em 2% ao ano.

Vamos ver o esforço que Beatriz terá que fazer para criar um fundo de previdência que lhe garanta o financiamento de sua sobrevida por 30 anos, com base nas condições do ambiente atual. Para isso, vamos considerar os seguintes dados:

Para aposentar com 35 anos de contribuição, deverá trabalhar até a idade de 65 anos

Rendimento médio real acima da inflação: 2% ao ano.

Para nossa simulação, vamos imaginar que Beatriz terá, ao longo de sua vida, uma renda média mensal de R$ 10.000,00, apenas para situá-la na média da classe B de renda do brasileiro (pirâmide atual). E, claro, vamos supor que esta seja sua renda após aposentadoria.

 Beatriz na piramide de renda

Vamos considerar que seu benefício público (INSS ainda existirá?) para a aposentadoria será de 25% de sua renda desejada de aposentadoria. Para essa simulação eu criei uma planilha de Excel que apresento no fim dessa conversa e você pode acessar e fazer suas próprias simulações. Não precisa saber nada de Excel, apenas abrir a planilha e digitar os valores conforme indicações que você encontrará.

E para a Beatriz? Veja os dados preenchidos.

Dados Beatriz 1

Com esses dados de entrada na planilha, veja os resultados da simulação.Bem, com esses dados de entrada na planilha, veja os resultados da simulação.

Dados Beatriz 2

Imagino que você esteja estarrecido com o esforço que a Beatriz terá que fazer para formar seu fundo de aposentadoria. Afinal, economizar 33,6% do salário todos os meses não é fácil.

No entanto, vamos fazer algumas considerações. O fantasma pode não ser tão feio como aparenta.

Primeiro, estamos considerando que Beatriz começou a criação de seu fundo a partir do zero, ou seja, não consideramos nenhuma transmissão de renda de sua família (herança ou doação). As pessoas que estão na classe econômico-social dela geralmente recebem alguma transmissão de patrimônio.

Segundo, observe que ela construiu para si um patamar muito elevado dentro da distribuição de renda do brasileiro, com o capital acumulado de R$ 2.034.092,00.

Terceiro, se ela decidir gastar apenas o rendimento anual real do fundo - 2% -  ela terá uma renda anual de R$ 40.681,84, ou seja, uma complementação de R$ 3.390,15 por mês. Com INSS sua renda de aposentadoria seria R$ 5.890,15. Com essa decisão ela conserva intacto o montante total do fundo durante toda a sua vida. E ainda deixa herança.

Observe que nessa hipótese, a renda mensal disponível para gastos não é muito inferior à renda mensal que ela teria na vida laboral (10.000 – 3.359,84 = 6.640,16).

No entanto, considerando a longevidade de sua geração, podemos imaginar que as pessoas poderão estender um pouco mais seu período laboral. Assim, se Beatriz trabalhar até 70 anos, os valores mudam bastante. Confira na planilha Excel os resultados abaixo.

 Dados Beatriz 3

O que podemos concluir dessas simulações é que a construção de um fundo para financiar a aposentadoria é possível e depende apenas da garra da pessoa. Ou seja, a pessoa tem que ter uma autodisciplina e uma meta, conforme já conversamos em oportunidades anteriores. Veja no blog:

“Criação de garra para sucesso, está preparado?

”Como desenvolver a garra para obter sucesso?”

Antes de terminar, gostaria de comentar um pouco sobre a história das reformas da previdência. De tempos em tempos, elas são inevitáveis porque as características demográficas mudam continuamente. Ainda bem, estamos sempre ganhando mais tempo de vida!

Por causa disso, cada geração cria um sistema de previdência para a geração seguinte, com base nas informações existentes na época. Um pouco de história para vermos isso. Na década de 1930, o governo instituiu o sistema de IAPs: Instituto de Aposentadoria e Pensão.... dos comerciários (IAPC), industriários (IAPI), etc. Exemplo é o Conjunto IAPI, no bairro São Cristóvão – Belo Horizonte, uma espécie de Programa Minha Casa Minha Vida da época. No final da década de 1960, mais ou menos 30 anos depois, o governo agrupou todos os IAPs no INPS – Instituto Nacional da Previdência Social. No final da década de 1980, início de 1990 mudou para INSS – Instituto Nacional do Seguro Social, mais ou menos 30 anos depois. E agora, 2018, mais ou menos 30 anos depois.... 

A única coisa comum em todas as mudanças: provocaram enormes reações contrárias. E não somos exclusivos nisso. Todos os países estão discutindo seus sistemas de previdência e as reações contrárias estão na imprensa todos os dias.

Pense nisso e comece seu planejamento de vida. Na próxima conversa vamos ver um pouco mais sobre condições de aposentadoria.

Até já!

 Planillha para seu planejamento de aposentadoria

 


Imprimir